• Comunicação Glaycon Franco

Deputado Glaycon Franco cobra esclarecimento sobre situação do IML de Conselheiro Lafaiete

Diante das informações de que parte dos serviços prestados pelo Instituto Médico Legal (IML) do município de Conselheiro Lafaiete, especificamente a necropsia, será transferida para o município de Belo Horizonte, o deputado estadual Glaycon Franco (PV) encaminhou ofício ao secretário de Estado de Justiça e Segurança Pública, Rogério Greco manifestando preocupação e solicitando informações sobre o fato.


Glaycon Franco destacou a necessidade de o tema ser tratado com a devida responsabilidade por parte dos órgãos estaduais - uma vez que afetará o serviço de suma importância, prestado aos lafaietenses em momentos de fragilidade de familiares que perdem seus entes queridos. Além do reflexo em outros municípios sob jurisdição da 2ª. Delegacia Regional de Polícia Civil.


Não bastasse o exposto acima, outra informação que o deputado estadual pede esclarecimento é sobre o cargo de auxiliar de necropsia, propriamente dito. “Há informações de que tal fechamento poderá acontecer em razão da extinção do cargo de auxiliar de necropsia, levada a efeito no passado, e que estaria impactando os serviços neste momento. É importante que este serviço continue sendo prestado até que todos as dúvidas sejam sanadas e o debate seja feito de forma séria com a população. Se o motivo é a extinção deste cargo, não só Conselheiro Lafaiete, mas todos os municípios mineiros que oferecem este serviço serão impactados”, pontua o deputado.


A preocupação e solicitação de providências foram também encaminhadas ao deputado Sargento Rodrigues - Presidente da Comissão de Segurança Pública da Assembleia Legislativa de Minas Gerais.


Glaycon Franco informou que acompanhará de perto os próximos passos sobre o assunto, uma vez que os ofícios já estão protocolados e devem ser respondidos pelos órgãos competentes. “Faremos o possível para que a solução seja alcançada de forma que não só os lafaietenses, mas também o povo mineiro não seja prejudicado”, concluiu.

10 visualizações0 comentário